Opinião: vitórias escondem as fraquezas do clube de São Januário

Em 2019 o Vasco ainda não perdeu, este fato ameniza as cobranças sobre uma diretoria que não consegue fontes de receitas e um time que joga futebol burocrático

O Gigante da Colina venceu os 7 jogos do campeonato estadual até aqui, 5 na fase de classificação, semifinal (Resende) e final (Fluminense) conquistando o título da Taça Guanabara. Já na Copa do Brasil, a equipe passou com um empate dramático contra o Juazeirense (2×2) e venceu o Serra (2×0).

Foram 13 gols a favor no Carioca e apenas 2 sofridos. Já na Copa do Brasil, 4 gols marcados e 2 nas redes de Fernando Miguel. Após um 2018 sofrido, imprensa e torcedores enaltecem o trabalho realizado, mas dentro de campo e fora as dificuldades continuam.

Leia também: Thiago Monteiro avança no Rio Open

 

Análise da campanha de 2019 invicta até o momento

Estréia contra o Madureira – No 1ª desafio do ano, 1 x 0 para o Vasco em gol com jogada trabalhada e boa finalização de Thiago Galhardo.

Volta Redonda – Em partida complicada e decidida após a metade do segundo tempo, o Cruzmaltino marca 3 gols de rebotes, 1 de falta e apenas 1 em jogada trabalhada.

Americano – Gol em jogada de cruzamento de Pikachu e bela cabeçada de Marrony. A bola foi lançada do meio de campo para o lateral/meia do Vasco.

Portuguesa – Gol de pênalti de Pikachu.

Fluminense – Gol de pênalti do Pikachu.

Semifinais – 2 gols de cabeça e 1 gol de roubada de bola.

Final – Bola parada com Danilo Barcelos.

Copa do Brasil – Gol de jogada trabalhada com Yan Sasse e pênalti com Maxi (Juazeirense) . Gol de cabeça de Lucas Mineiro e contra ataque com Ribamar (Serra).

Dos 17 gols na temporada, apenas 4 foram com a equipe criando e trabalhando a bola. Time de Valentim se impõe nas jogadas paradas e forte marcação. Outro grande detalhe é que apesar dos rivais serem de níveis contestáveis, o Vasco em diversas situações passa sufoco e não consegue controlar a partida.

 

Clube se vale de arbitragens contestáveis

Na 3ª rodada da Taça Guanabara contra a o Portuguesa, o Vasco é beneficiado com um pênalti muito discutível.

 

4ª rodada da Taça Guanabara, Bruno Silva é derrubado na área por Danilo Barcelos e o árbitro inverte a falta, no final o Vasco ganha por 1 x 0 com gol de pênalti e muita reclamação tricolor.

 

Na Copa do Brasil, a tragédia poderia ser muito grande, competição tratada como prioridade devido ao alto valor de premiações, o Gigante da Colina sofreu para empatar com o limitado time do Juazeirense e foi beneficiado por um pênalti não marcado a favor do Serra no início do jogo.

 

Máxi Lopez joga acima do peso e se torna um problema em campo

O atacante argentino chegou no meio de 2018 ao clube da Colina e precisou de algumas semanas para cair nas graças da torcida, em forma Máxi nunca esteve, mas a seca de boas atuações começa a pesar. Neste ano, o atleta teve uma pré temporada mais longa e só estreou contra o Juazeirense na Copa do Brasil, no dia 05/02, a expectativa era do jogador conseguir se preparar para uma boa temporada e não é isso que vem acontecendo. Com dificuldades na movimentação e apenas 1 gol na atual temporada, Máxi joga apenas pelo nome e prejudica a sequência de diversos lances de ataque do time.

 

Diretoria não cumpre as promessas

Em abril de 2018, o presidente Alexandre Campello vende o atacante Paulinho e afirma que a negociação é de fundamental importância para o equilíbrio financeiro em 2018. No mês de agosto, o mandatário propõe um empréstimo de quase R$50 milhões de reais, a garantia seriam as cotas de tv, segundo a diretoria o valor seria necessário para cobrir o rombo de gestões anteriores. A oposição contesta as garantias e o clima esquenta, Campello, então, afirma que se o valor não for liberado o clube ficaria beira de um colapso. Em outubro a diretoria manifesta a liberação do valor de R$38 milhões de reais. Mesmo com tal aporte, o clube inicia 2019 com dezembro, 13ª e premiações atrasadas.

 

Patrocínio Master

Promessas e mais promessas…

 

 

Programas de sócios não decola 

Com 25 mil sócios pagantes, o clube fica longe da meta de 50 mil para o atual ano e ainda mais dos 112 mil, que segundo o presidente Campello colocaria o Vasco no seu devido lugar, entre os 5 maiores clubes com sócios do país.

 

Esse foi apenas um resumo que o início de temporada do Vasco pode iludir muita gente, mas os problemas continuam os mesmos. Falta de recursos, futebol burocrático e famílias sem receber.

 

Por: Anderson Silva. | Foto: Rafael Ribeiro / Vasco da Gama.

 

 

 

 

You May Also Like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Social Share Buttons and Icons powered by Ultimatelysocial
Facebook
Facebook
YouTube
YouTube
Instagram